Segundo Raid Lucena-Pipa

O litoral do Nordeste é cheio de atrativos e uma das formas mais interessantes de conhecer tais atrações é fazendo turismo de aventura com motocicleta. Ir de moto a lugares que de outra forma ficariam mais difíceis de chegar.

O Raid Lucena-Pipa é isso. Uma aventura partindo da cidade de Lucena, do outro lado do rio no Pontal de Cabedelo, e seguindo até a praia de Pipa no Rio Grande do Norte.

O grupo dos Tatus Manguetown já tinha feito esse passeio com cerca de 10 motos entre membros e convidados. Todos eram experientes pilotos de off-road e depois de uma noite de farra na casa de Homero em Cabedelo saímos de manhã e chegamos as 15hs em Pipa. Isso foi em setembro de 2016.

Agora em fevereiro de 2018 a missão é levar alguns Amigos Coxinhas.

Convites feitos e entre aceites e desculpas amareladas para não ir o grupo formado ficou com Eu e Lara (F800gs), Eloy e Gabriela(F800gs), Demetrius (Ténéré 250), Laplace(F800gsADV), Rodolfo (F800gs) e Luciano de João Pessoa (F800gs, irmã gêmea da Mítica Black Mamba).

O clima estava  bem chuvoso. Nos últimos dias tinha chovido bastante e a previsão para o fim de semana era de mais chuva. A ideia era partir de Lucena na manhã do Sábado e seguir para Pipa e chegar lá pelas 16hs. O ponto de encontro é a balsa de Cabedelo-Lucena. Luciano que mora em João Pessoa e eu (que vim para Jampa na noite anterior) nos encontraríamos com o resto do grupo que veio de Recife logo cedo.

Apesar da chuva as perspectivas para a trilha eram boas. O percurso é praticamente todo plano e o solo dessa região é muito arenoso. Devemos pegar algumas poças de água mas não vai rolar muita lama pois simplesmente não tem. O solo dessa região é normalmente areia e de vez em quando um barrinho misturado. Areia de praia molhada é até melhor.

Pegamos a balsa as 9hs e começamos a aventura.

Desembarcamos da balsa e Demetrius seguiu liderando a trupe. Fomos em seguida para a Igreja da Guia para tirar as tradicionais fotos. O chão estava bem molhado e sem maiores dificuldades.

 

Abbey Road style. Não percebi mas essa marcha seguia em direção ao cemitério 🙂

Confissões feitas, promessas de se comportar e seguimos em direção as Ruínas de Bonsucesso.

Nessa foto dá para perceber que o tempo estava muito nublado e com chuva intermitente. A trilha promete aventuras.

Ruínas de Bonsucesso ficam numa trilha muito bonita por entre uma floresta em terreno de areia. Muitas poças dágua mas nada de lama ainda.

Nesse trecho já deu para perceber que alguns colegas estabeleceriam alguns latifúndios a partir de compra de terreno. Ou seja, quedas e tombos em profusão. Nada sério mesmo porque a velocidade era muito baixa. Começa o desgaste de energia para levantar as motos F800gs adv repetidas vezes.

Depois das Ruínas, temos que ir a Falésia que dá uma vista magnífica da foz do Rio Miriri, lá embaixo.

Pegamos a trilha novamente agora em direção a Rio Tinto. O rio Mamanguape tem em sua foz uma área de preservação reservada para berçários de bebês de peixe-boi marinho. Não tem ponte sobre o rio a não ser bem no interior próximo a Rio Tinto. Barcos a motor não podem navegar na barra do rio portanto não tem balsa nem jeito seguro de cruzar o rio no litoral para a próxima praia que é Baía da Traição. O jeito é desviar a trilha para o interior, ir a Rio Tinto e pegar um trecho de asfalto (ECA!) até a praia e retomar a trilha então.

Fizemos isso debaixo de chuva fina e constante. Pegamos a trilha novamente ao norte da cidadezinha de Baía de Traição. Essa trilha, a rigor, é a PB-008 que ao norte de Cabedelo existe apenas como uma estradinha de terra que em alguns lugares não passa de uma trilha mesmo.

Chegamos então em Barra de Camaratuba para a segunda travessia de balsa do percurso. O mar estava muito seco porém já estava enchendo. A balsa não estava no local de partida e tivemos que avançar sobre o areial do leito do rio até bem próximo da barra.

Duas motos atolaram, a de Eloy e a de Laplace. Voltei a pé para ajudar e acabei trazendo a moto de Laplace para a balsa. Sem capacete! Que coisa feia!!!

A trilha até então estava tranquila e só com pequenos sustos (escorregadas) e tombos com as motos paradas. Nada demais.

Na minha inocência, o trecho mais fácil viria a seguir. A praia plana com maré baixa entre Barra de Camaratuba e Barra de Guaju. O trecho tem cerca de 12 km de areia de praia só que a maré estava enchendo … aí a areia molhada vira areia movediça.

trecho camaratuba guagu

Eu estava com garupa e apesar da areia estar meio fofa, percebi que o melhor a fazer é acelerar para não pegar o trecho entre Guaju e Sagi (o pior de todo o raid) com a maré muito alta. Acelerei com Lara na garupa imaginando que os amigos não teriam mais dificuldades pois a praia plana, areia dura … me enganei.

Cheguei a balsa de Guaju sem dificuldades e esperei pelos amigos. Nada.

20180217_135127

Começaram a demorar mais do que seria razoável. Alguém levou alguma queda ou atolou e eu simplesmente não conseguia conceber como. Praia lisa ? Como pode ter dado problema. Mal sabia. Na balsa uma Titan 150 de um nativo seguia em sentido contrário. Pedi para ele avisar aos amigos que estava tudo bem comigo e que eu os aguardava do outro lado do rio. Saberia depois que o emissário alcançou Eloy e deu o recado.

Atravessei o rio e me dirigi a praia com Lara na Garupa. A maré já estava enchendo muito. A areia estava realmente muito fofa e na primeira tentativa a moto saiu derrapando de um lado para outro e a cerca de 30km/h deu uma enterrada total. A frente da moto ficou completamente coberta de areia. Sem condições de fazer o trecho até Sagi com garupa.  A maré já estava enchendo para valer e a janela de tempo ficou muito estreita. A praia ficaria alagada com a maré alta. O jeito é seguir em frente pois não há saída de Barra de Guaju a não ser pela praia e por uma estrada de areia aos pés das dunas.

Enquanto desatolava a minha moto vi que Luciano havia chegado a balsa. Pedi a Lara ir lá falar com ele para saber o que aconteceu. Luciano assegurou que estava tudo bem e  sob controle.  Desenterrei a moto e consegui levantá-la. Lara voltou bem na hora em que eu dei partida. Ela foi de buggy até Sagi. Mandei ver na areia fofa. Depois que a moto atinge uns 30km/h ela não atola mais porém fica sambando na areia. Tem que acelerar até uns 40km/h no mínimo para estabilizar. O trecho entre Barra de Guaju e a vila de Sagi tem uns 2,5km de muita areia. Cheguei em Sagi e em direção ao calçamento, a 10cm da rua de paralelepípedo .. levei uma queda. Sem maiores consequencias mas deu uma raiva enorme. Levantei a moto e estacionei-a próxima a calçada. De repente meu celular dá um alerta de mensagem. Era uma mensagem de Laplace -> “HELP!”.

Caramba, a mensagem havia sido enviada quase uma hora atras, antes de Luciano nos encontrar. Lara chega alguns minutos depois no buggy. Vamos esperar um pouco .. que vira mais tempo .. mais tempo e nada dos companheiros chegarem. Deu alguma zica.

Dois guris estavam queimando gasolina em dois UTV’s da Polaris, passando pra lá e pra cá sem muita coisa a fazer. Cheguei para eles e pedi ajuda. Tenho alguns amigos que devem estar precisando de ajuda entre Camaratuba e Sagi. Eles toparam ajudar, subi no Polaris e voltei em direção a Barra de Guaju para ajudar os amigos.

No meio do caminho encontrei Rodolfo, Eloy,  Luciano e Laplace. Cadê Demetrius ? Aí comecei a receber a conta-gotas os relatos do que acontecera aos companheiros.

Demetrius havia levado um tombo espetacular quando voltou para salvar Laplace. A moto entrou na água do mar, a viseira, o capacete e a go pro se soltaram e cairam na água. O relato impressiona:

Esse vídeo foi gravado um pouco antes de eu reencontrar os amigos. Eles estão na barraquinha de Barra de Guaju. Nesse momento eu já estava com Lara em Sagi, 2,5km adiante.  O interruptor do motor de arranque da moto de Demetrius ficou acionado o tempo todo com o motor de arranque ligado. Demetrius muito safo já resolveu depois de recolocar a moto em ordem de marcha (guidao empenado, paralama travado, gopro resgatada).

Decidi mandar Gabriela, a garupa de Eloy, e Laplace nos Polaris. Peguei a moto de Laplace e a trouxe pela estradinha nos pés das Dunas. A praia já estava alagada pela maré. Cheguei em Sagi sem incidentes. Minutos depois chegaram os Polaris e seus passageiros e pouco depois o restante do grupo.

resgate polaris

Fomos para uma oficina de motos em Sagi onde pneus foram recalibrados e o guidão da moto de Demetrius foi parcialmente desempenado. Chovia firme e constante uma chuva honesta. Lavamos as motos e tiramos umas 10 toneladas de areia das motos e dos pilotos.

Com a chuva intensa e o adiantado da hora, já eram quase 17hs, não ia dar para continuar na trilha até Pipa. O jeito era voltar para a BR-101. Eu, Lara, Eloy e Gabriela iríamos para Pipa. Laplace, Luciano, Demetrius e Rodolfo voltariam para João Pessoa e Recife.

Aí começou a chover. Muuuuuito. Chuva diluvial de proporções bíblicas. O céu escureceu definitivamente pouco depois das 16:30. A estrada entre Sagi e a BR-101 é de barro batido e cheia de pequenos buracos. Super molhada e escorregadia. Eu e Eloy encaramos só que eu mantive um ritmo mais forte porque não queria ter que rodar nessa estrada em péssimas condições e ainda por cima a noite com o farol alto queimado. Sim, descobri isso na noite anterior e fiquei tranquilo pois não imaginava que teria que rodar a noite considerando que partimos de Lucena as 9hs da manhã.

Rodar numa estrada de terra que você não conhece, com garupa, sob chuva torrencial e com a noite se aproximando não é uma experiência legal. Felizmente chegamos a BR 101 sem incidentes as 16:54 mas. Aí … a chuva que eu pensava que já tava no máximo começou a virar uma tempestade. Encharcado até os ossos, encaramos a BR-101 que é um tapete até Goianinha onde parei para abastecer. Eloy estava num ritmo mais lento e isso me preocupava. Já era noite fechada, a chuva não aliviava e a estrada de Goianinha para Pipa é muito sinuosa, cheia de lombadas e alguns buracos. Não estava afim de encarar essa estrada por muito tempo a noite escura. Como é uma estrada muito movimentada e cheia de vilas, mesmo que furasse um pneu não é difícil de obter ajuda. Decidi acelerar e seguir direto para Pipa chegando na Pousada Aconhego da Pipa as 17:47. Minutos depois, Eloy me avisa que tinham chegado sãos e salvos na Pousada Alemã.

Demetrius, Laplace, Rodolfo e Luciano vão um pouco atras, e pegam a BR-101 enfrentando muita chuva. Algumas horas depois, Luciano avisa que já estava são e salvo em casa em João Pessoa. Laplace, Dema e Rodolfo continuaram para Recife a noite e na chuva torrencial.

O raid não foi completo pois não fizemos o trecho entre Sagi e Baía Formosa, quando voltaríamos a praia e seguiríamos até Barra de Cunhaú, depois Sibaúma e a estradinha que vai dali até o “Chapadão” de Pipa. Não havia condições. Muito escuro, muita chuva e a maré alta iria impedir o passeio na praia entre Baía Formosa e Barra de Cunháu, onde pegaríamos outra balsa.

No fim, o passeio que deveria ter sido super tranquilo virou uma aventura com ares dramáticos e que para alguns era quase um pesadelo. Mesmo assim valeu a pena. Amizades se consolidaram e o valor da solidariedade em momentos de angústia foi devidamente apreciado pelos aventureiros.

Apesar do saldo positivo, existiram alguns erros. O maior foi ter subestimado a maré em Barra de Camaratuba.

Primeiro eu li a hora da maré erradamente.  A maré estava completamente seca as 11:23 pois o horário do site que eu vi era de Brasília, que no sábado ainda estava no horário de verão e dizia 12:23 … Ora, quando entramos na praia em Barra de Camaratuba já eram 13:26, portanto, a maré já estava enchendo há 2 horas. Esse ponto tem que ser atingido com a  maré ainda secando por pelo menos mais 2 horas que é para dar tempo de chegar a Sagi sem maiores complicações e ainda com sobra de tempo para pegar a praia entre Baia Formosa e Barra de Cunhaú, sem estresse. Em suma, estávamos 4 horas atrasados. Desse atraso, uma hora foi por erro de horário de verão. As outras 3 horas foram erro meu de não ter dimensionado bem o tempo entre Lucena e Camaratuba.

Entre Camaratuba e Guaju, eu e Lara fizemos de moto em 17 minutos. Isso porque no meio do caminho eu notei que os amigos haviam se atrasado e cheguei a voltar para ver o que estava acontecendo. Depois que vi que todos estavam na praia e rodando (a distancia), retomei o rumo em direção a Guaju e acelerei. Segundo o meu tracklog, foram 4 minutos de turn-around. Ou seja, o trecho entre Camaratuba e Guaju pode ser feito em 13 minutos, com garupa.

O ponto chave desse roteiro é a Barra de Camaratuba. Se a maré não estiver secando quando chegar e esse ponto, é melhor desviar para a trilha por dentro dos canaviais (que eu não conheço).

Entre Guaju e Sagi fica o trecho mais dificil. A praia é estreita e tem pedras encravadas na beira da praia. Tem que ter muito cuidado. A areia é muito grossa e fofa e a alternativa é a estradinha no sopé das dunas. Eu não conheço essa estradinha. Ela é muito usada por 4×4 que visitam essa região. Com a chuva, a estradinha estava razoavelmente fácil. Só que eu não sabia. O jeito foi ir pela praia mesmo. Porém, para os amigos seria tarde demais. A maré alagaria a praia toda. O ponto que quero demonstrar é que Guaju para Sagi talvez seja melhor pela estradinha, afinal de contas.

Eu e Lara ficamos na pousada esperando a chuva passar para irmos jantar com Eloy e Gabriela. Só que a chuva que já estava alagando a vila de Pipa engrossou ainda mais. Comemos um jantar por ali mesmo apesar dos convites insistentes de Eloy para jantarmos juntos. Só que estávamos relativamente longe para ir a pé na chuva. Mesmo assim, deu uma estiada e corremos para a Sorveteria Preciosa. Eloy/Gabriela ainda estavam jantando e decidimos nos encontrar na hora do almoço do domingo, faça chuva ou sol. Sim, a previsão de tempo era que ia chover para caramba no domingo.

Felizmente amanheceu um belo dia ensolarado. Formos para a praia, tomamos uma água de coco com Eloy/Gabriela e voltamos para a Pousada Aconchego da Pipa, empacotamos as coisas e pegamos a estrada de volta para Recife. Pequena pausa para calibrar os pneus em Goianinha, onde Lara fez um lanchinho e eu comi uma coxinha (canibalismo) e tomei um café para ficar esperto. Eram 13:15 da tarde quando pegamos a BR-101 pra valer sentido sul para irmos para Recife. Dia ensolarado, viagem sem maiores incidentes. Paramos no Rei das Coxinhas 2 horas depois. Mais canibalismo e 3 coxinhas de camarão com catupiry para nossas filhas que nos aguardavam em Recife. O tempo já não estava mais tão ensolarado e lá longe dava para ver que as nuvens carregadas ameaçam dar outro banho na gente. Passei com cuidado na curva depois da fronteira PB/PE um pouco antes de Goiana onde eu imaginava que tinha sido a queda de Laplace. Eu só viria a saber com certeza o local da queda na segunda-feira de manhã. Realmente o local é perigoso, uma curva numa descida com algumas ondulações na pista, piche e resto de cana-de-açucar esmagada. Deve ficar um sabão. Isso a noite então é um acidente esperando acontecer.

Chegamos em casa as 16:20 felizes por mais uma aventura.

Minha esposa Lara foi magnífica. Com espírito de aventura, não reclamou uma vez sequer do frio, calor, umidade, areia, sal, lama, buraqueira, fome, sede, medo de cair ou qualquer coisa que fosse. Sempre encarou na boa e com excelente humor. Ficou um bocado preocupada com os amigos que se atrasaram e no fim ficou aliviada porque não houve nada sério, apenas os perrengues típicos de uma aventura de trilha light do Bokomoko.

Segue o tracklog do passeio

https://www.wikiloc.com/wikiloc/spatialArtifacts.do?event=view&id=22752779&measures=off&title=off&near=off&images=off&maptype=SPowered by Wikiloc

 

 

Anúncios